Maionese Capilar Light #TodeCacho

Lenços demaquilantes SD Make Up

Meias Esfoliantes Footner para os pés

Batom líquido Matefix Bordô Hipnotizante Eudora

Nude nas unhas

Meu primeiro desfile na faculdade de moda

O Xadrez Vichy vem pra ficar!

Ávora Splendore Color Tonalizante 989 Louro Muito Claro Pérola

Cabelo curto e autoestima

02ago/17

O que vem na caixa Niina Secrets Collection

Vídeos

Desde que fui convidada pela equipe da Niina Secrets pra participar do Desafio Niina Secrets Collection que eu de fato tive contato com a caixinha. Eu já sabia que ela existia, mas não conhecia os produtos e nem como funcionava. Desde a primeira caixa eu fiquei simplesmente encantada com tudo ~ desde a embalagem até q qualidade do conteúdo, virei fã mesmo!

Caixas de Junho e Julho da Niina Secrets Collection

No vídeo eu explico melhor como funciona o esquema de assinatura e mostro detalhadamente as peças que vieram em cada caixa, mas de antemão eu te digo que funciona no mesmo esquema de caixas de produtos de beleza por assinatura: por um valor fixo, você recebe uma caixa com produtos exclusivos, de forma recorrente na sua casinha. No site eles informam que a quantidade pode variar, mas tem sempre o mesmo esquema de peças de roupa, produto de beleza e brindes colecionáveis.

Eu recebi muitos pedidos de vocês pra mostrar o que veio na caixa ~ ao todo eu recebi duas delas ~ e dizer o que eu achei da Niina Secrets Collection. Quando eu fiz look usando uma das peças, mencionei a caixa, mas não havia mostrado. Então eu resolvi gravar e mostrar tudinho, dizer como funciona e, além de mostrar as peças, também quero dizer o que eu achei, com todo carinho e sinceridade!

VEJA MAIS FOTOS DA NIINA SECRETS COLLECTION

Continue lendo

02ago/17

Reconstrutor Capilar Antiemborrachamento G.hair

CabelosResenhas

Quem já passou por descoloração ou processo químico pesado provavelmente já teve emborrachamento no cabelo. É quando o dano é tão grande que afeta a estrutura do fio, deixando-o com aspecto elástico, extremamente poroso e quebradiço, com textura e aparência de emborrachados. Recebi um produto para reconstrução capilar que promete restauração completa dos fios danificados, o Reconstrutor Capilar Antiemborrachamento G.hair

Reconstrutor Capilar Antiemborrachamento G.hair

De acordo com a marca: O Reconstrutor Capilar Antiemborrachamento G.hair promove reconstrução instantânea, proteção contra altas temperaturas, dá mais força, elasticidade, nutre e cauteriza a fibra capilar. É ideal para cabelos quimicamente tratados e para quem sofreu algum dano nos cabelos. Combate a elasticidade, emborrachamento e porosidade, devolvendo a vida aos descoloridos e com pontas duplas, nutre, restaura e reconstrói os fios. O Reconstrutor Capilar Antiemborrachamento G.hair é Rico em aminoácidos que aumentam a resistência e brilho dos cabelos e mantém a cor no cabelo tingido por mais tempo. Seu diferencial é a proteína de Seda que combate as pontas duplas e protege os cabelos dos raios UV e do calor dos secadores e chapinhas.  Cabelos recuperados em 5 minutos.

O QUE EU ACHEI DO RECONSTRUTOR CAPILAR ANTIEMBORRACHAMENTO G.HAIR

Ele é cremoso e bastante denso. A embalagem é típica de leave in, mas o produto não foi feito pra permanecer nos fios, tem que enxaguar depois do uso. As instruções é que o Reconstrutor Capilar Antiemborrachamento G.hair deve ser aplicado nos cabelos úmidos, em toda a área sensibilizada, distribuindo suavemente com um pente até que perceba que o produto foi totalmente absorvido. Deixe agir por 5 minutos, penteie novamente e enxágüe.

O cheiro é uma delícia e ele é extremamente emoliente. Fácil de aplicar e de espalhar, mesmo com cabelos muito embaraçados ~ o que, convenhamos, é a melhor coisa pra quem está com os fios emborrachados. Qualquer atrito maior piora o aspecto e ainda pode arrebentar. Assim que você aplica, sente que o cabelo já absorveu e está incorporando o produto. Na hora de enxaguar, ele praticamente derrete o cabelo e é extremamente perceptível a maciez dos fios. Muita emoliência mesmo!

A proposta da marca é que o produto entre em contato com os fios danificados e promova recuperação imediata, já no primeiro uso. A composição dele é muito rica em óleos, manteigas e aminoácidos. Se fossemos ver o dentro do Cronograma Capilar, ele se encaixaria perfeitamente na etapa de Nutrição. No entanto, somente ela não dá conta da recuperação total dos fios que perdem muita massa nesse tipo de processo químico. A reconstrução é crucial pra quem teve o cabelo danificado. Quando o cabelo seca, ainda podemos perceber emborrachamento em partes onde o dano foi mais severo.

A realidade é que ele realmente deixa o cabelo mais macio, nutrido e com muito brilho. Facilitou muito o desembaraçar dos fios e, apesar de tantos nutrientes oleosos na composição, não deixa o cabelo pesado ou com aspecto de sujo. Mas, apesar de prometer reconstrução imediata, eu senti mais uma nutrição potente. Achei que diminuiu em partes o emborrachamento, mas onde estava mais danificado, não teve tanto resultado. Aliás, a longo prazo, com uso contínuo e repetido, realmente apresenta melhoras no emborrachamento, mas não de forma imediata. A manutenção com ele não só melhorou a textura dos fios como também deixou com um brilho incrível.

Podemos dizer que, de certa forma, ele cumpre o que promete, mas a longo prazo. É um bom produto, mas não faz milagres ~ até porque, a gente sabe muito bem que pra estragar o cabelo é questão de segundos, mas pra recuperar… só Deus sabe! Vi que o preço dele gira em torno de R$27,00, vem 250ml e, tendo em vista o resultado, acho que vale à pena o investimento, principalmente pela qualidade da nutrição que ele proporciona. A marca não realiza testes em animais, o que é muito bom saber. Alguém já usou?

01ago/17

Millennial Pink | o tom pra apostar

Moda

Imagem: Design Love Fest

Embora algumas cores nunca saiam de moda como o preto, cinza e branco, outras ganham notoriedade de uma hora pra outra e se transformam em novos queridinhos. O da vez é o Millennial Pink, um tom de rosa que passeia pelo chá, pêssego e é considerado uma cor genderless ~ ou seja, não tem essa de cor “de menino” ou “de menina”.

Millennial Pink tem esse nome porque está diretamente ligado à Geração Y ou Millennium, que são os nascidos depois dos anos 80. Essa nova proposta desconstruída dessa geração tem tudo a ver com a tonalidade que, até então, era diretamente atribuída ao universo feminino. Também conhecido como Tumblr Pink ou Scandi Pink o Millennial Pink vem conquistando espaço até mesmo fora do vestuário e invadindo a gastronomia, a decoração, os filtros para as fotos e a arte.

Não foi difícil o Millennial Pink cair no gosto das grandes marcas e do consumidor final. Como o tom tem uma pegada esmaecida, é mais neutro do que o Blorange ou o próprio Pink. Dessa forma, fica mais fácil de combinar com outras peças e de assumir o papel de uma cor sem gênero. É claro e suave, mas tem toda uma mensagem de quebra de paradigmas por trás que conversa com uma das demandas sociais.

COMO USAR O MILLENNIAL PINK

Inspiração é o que não falta! Basta a gente dar uma boa olhada que provavelmente tem alguma peça em casa, já que o tom pode variar um pouco e não tem uma definição certa. E tem até popstar se rendendo ao charme do novo rosa 💕

NAS ROUPAS

Imagem: Pinterest

Como dá pra perceber, o tom apresenta variações e pode ser usado de diversas maneiras: mais informal, como no caso da jaqueta e do vestido de corte reto, um pouco mais arrumadinho com peças de alfaiataria e saia midi ou ainda mais elaborado como tricôs. Por ser bem eclético, fica bem com uma cartela enorme de outros tons, inclusive os mais escuros ~ viram como a jaqueta de couro preta quebrou a inocência do look?

NA DECORAÇÃO

Imagem: Pinterest

O motivo do Millennial Pink também ser chamado de Scandi Pink é porque ele é muito usado em decorações que seguem o estilo escandinavo. Não é à toa, esse tom remete ao clássico e cai bem com as demais tonalidades neutras, dando um toque de cor sem pesar ou quebrar o estilo clean da decoração escandinava. Pode ser tanto um objeto quanto móveis maiores e até mesmo paredes e azulejos.

NOS ACESSÓRIOS

Imagem: Pinterest

Pra quem quer começar aos poucos, os acessórios são sempre uma boa opção. Não precisa investir tanto e sempre tem aquela opção de deixar de lado se não gostar ~ o prejuízo é menor. Assim você vê se o tom te agrada, se combina com o que você já tem e posteriormente faz outras aquisições, se quiser. Ir devagar é a melhor escolha quando o assunto é novidade.

Eu particularmente acho um tom bastante democrático e que me agrada muito. Gosto da possibilidade dele se adaptar bem aos diversos tons de pele e não tem tantas restrições como outras tonalidades de rosa. Já ganhou lugarzinho no meu coração e me dá aquele sentimento de nostalgia de milkshake e blusinha de vó! 💕 E vocês, gostam?

28jul/17

Colgate Escova Luminous White Advanced com Caneta Branqueadora

Publicidade

A nova Colgate Escova Luminous White Advanced com Caneta Branqueadora promete revolucionar a maneira com que escovamos os dentes. Além das cerdas polidoras e removedoras de manchas da escova, a Caneta Branqueadora que vem acoplada nela promete dentes mais brancos logo no dia seguinte ao uso.

O princípio ativo é o mesmo utilizado pelos dentistas e o melhor é que você consegue em casa, com o uso contínuo, o tão sonhado sorriso branco. Além da Colgate Escova Luminous White Advanced com Caneta Branqueadora, tem também o Creme Dental Colgate Luminous White XD Shine e  o Enxaguante Bucal Colgate Luminous White XD Shine que garante dentes mais fortes, proteção do esmalte e um sorriso mais branco entre as escovações.

 A ideia é super simples, basta 3 passos pra você conseguir resultados incríveis:

  • Escove os dentes com o Creme Dental Colgate Luminous White XD Shine e com a Colgate Escova Luminous White Advanced com Caneta Branqueadora, especialmente desenvolvida com cerdas polidoras e removedoras de manchas;
  • Branqueie aplicando 2 cliques de gel na arcada superior e mais 2 na arcada inferior dos dentes. O gel adere em segundos e não precisa enxaguar;
  • Pronto! É só guardar a caneta na escova.

O QUE EU ACHEI DA COLGATE ESCOVA LUMINOUS WHITE ADVANCED COM CANETA BRANQUEADORA

Eu achei muito prático porque já está tudo junto, não tem como esquecer. Além do mais, você já tem o hábito de escovar os dentes, fica super tranquilo associar mais um. Eu amei a escova porque ela realmente dá um brilho diferente, acho que é justamente por causa das cerdas polidoras. Estou usando há mais de uma semana e não percebi nenhuma ardência ou sensibilidade e já vejo diferença no tom.

As linhas completas de Colgate Luminous White Advanced e XD Shine podem ser encontradas em farmácias, drogarias e supermercado e é uma inovação no mercado, uma nova tecnologia na categoria de escovas.

24jul/17

O Mínimo para viver | o que eu achei do filme

Resenhas

Nesse final de semana assistimos ao filme O Mínimo para Viver do Netflix. Com o título original de “To the bone“, o filme mostra a história de uma jovem com anorexia e suas dificuldades de se recuperar da doença e voltar a ter uma vida normal. Com Lily Collins e Keanu Reeves,  O Mínimo para Viver é um drama que tem uma proposta bem interessante, mas que deixa a desejar.

O filme começa direto no assunto, mostrando Ellen, a personagem principal interpretada por Lily Collins saindo de uma internação e voltando para a casa do pai. Lá a gente vê um pouco da dinâmica familiar dela e sua contínua obsessão por contar calorias e manter o peso baixo. Sua história de vida é vagamente revelada ao longo do filme, mas em momento algum fica claro o motivo pelo qual ela se tornou anoréxica ou como a doença avançou. Algumas questões familiares dão indícios, mas na verdade, é apenas uma suposição.

Ellen tem 20 anos e se mostra conformada com a situação de internações seguidas e fala com muita naturalidade sobre já ter sido entubada para receber alimentação, como se fosse um processo normal e eventual de sua rotina. Cada membro da família tem uma relação diferente com o transtorno da jovem e, exceto pela meia-irmã, todos parecem não acreditar mais na recuperação de Ellen e ficam empurrando o problema uns para os outros.

Até que um tratamento não tão convencional surge na vida de Ellen, cujo médico é interpretado por Keanu Reeves. Ela então passa por uma nova experiência similar a uma internação em uma clínica com outros jovens que sofrem de transtornos alimentares também. Entre outros pacientes, conhecemos Luke, personagem que ajuda a desenrolar um pouco mais sobre a história e personalidade de Ellen. Nesse momento, começa um certo envolvimento amoroso entre os dois e a narrativa ganha um novo rumo.

É claro que esse é um assunto pesado, difícil e bastante complicado. No entanto, é de extrema necessidade que seja mais explorado e discutido. E é aí que entra o problema: como retratar um assunto tão delicado sem romantizá-lo e até onde mostrar a realidade, mas de uma forma que não ofereça gatilhos para aqueles que sofrem de transtornos alimentares?

E, ao meu ver, foi aí que o filme se perdeu um pouco e deixou a desejar. Ele transita entre a superficialidade da abordagem do tema e as imagens corporais chocantes, mas sem aprofundar de fato no sofrimento dos pacientes, dos familiares e em outros aspectos da doença. Não consegui criar uma relação empática com a dor da Ellen, justamente pela forma com que a doença dela foi apresentada: já instaurada, sem precedentes que poderiam ter dado origem ao transtornos, com uma abordagem rasa da relação entre o comportamento dela em relação à comida e o real motivo pelo qual ela desenvolveu a doença. Posso dizer que há personagens secundários que denotam de forma muito mais envolvente a dor e a luta que é conviver com essa obsessão do que a própria Ellen.

Além do mais, achei que o filme perdeu o ritmo e quase entrou numa vibe Sessão da Tarde romântica, deixando algumas questões abertas e pendendo bastante pra uma história de amor e superação. De repente, quando ele retoma a temática da doença, fica um buraco na história que a gente não entende bem se ela morreu, se foi um sonho ou coisa parecida.

Não consigo afirmar se há gatilhos ou não, o que me faz pensar que talvez haja, visto a dúvida. Talvez, se o foco tivesse sido um pouco mais no sofrimento do transtorno, de uma forma mais pesada, não haveria espaço pra questionar esse aspecto. No entanto, achei que em alguns momentos era perceptível um clima confortável em conviver com a doença. Se não fosse pelo imagem corporal de alguns personagens, não saberia dizer do que eles sofriam.

O final sem resolução não foi o problema, pelo menos pra mim. É bacana deixar essa ideia de tentativa, de recomeço. Pessoas que sofrem de transtornos alimentares muitas vezes passam anos da vida tentando lidar com hábitos destrutivos, até de fato conseguirem retomar a vida sem eles. Então, deixar em aberto o que houve depois, mas mostrando que ela estava mais uma vez disposta a tentar é sim uma resolução positiva, de certa forma.

Não achei um filme ruim, de forma alguma. É raso, superficial, mas necessário. Abriu uma porta para discussão de um tema extremamente importante e que ajuda a entender um pouco melhor a realidade dessas pessoas. Essa questão de não ter sido tão profundo não é de todo mal: nem todo mundo consegue lidar bem com imagens de pessoas doentes e de uma relação tão difícil com a comida. Então tem um propósito alcançado, podemos dizer assim.

O filme O Mínimo para Viver tá disponível no Netflix e tanto a Lily Collins quanto a diretora Marti Noxon sofreram na pele esse transtorno. Ambas já tiveram anorexia e tratam no filme com propriedade o assunto. Acho que é de certa forma um bom filme pra quem quer saber um pouco mais sobre transtornos alimentares, pode ser um começo. Alguém já assistiu? O que achou? Me conta nos comentários! 😉

Tags:
1 3 4 5 6 7 337