Maionese Capilar Light #TodeCacho

Lenços demaquilantes SD Make Up

Meias Esfoliantes Footner para os pés

Batom líquido Matefix Bordô Hipnotizante Eudora

Nude nas unhas

Meu primeiro desfile na faculdade de moda

O Xadrez Vichy vem pra ficar!

Ávora Splendore Color Tonalizante 989 Louro Muito Claro Pérola

Cabelo curto e autoestima

06nov/17

Dicas pra quem vai em um show no Morumbi

Dicas

Eu e meu esposo fomos a um dos shows do U2 na turnê The Joshua Tree 2017 no Estádio do Morumbi. Claro que passamos alguns pequenos apertos porque não somos da cidade, por isso decidi fazer esse post com dicas pra quem vai em um show no Morumbi ~ que são muito valiosas e podem te ajudar muito. Dá um print nesse post porque provavelmente você vai precisar!

imagem: pixabay

COMO CHEGAR?

Bem, claro que tudo vai depender de onde você está. Mas é bom saber que na maioria dos lugares dá pra você pegar transportes públicos e economizar bastante ~ pelo menos na ida, porque na volta, provavelmente você vai precisar gastar um pouco mais. O Estádio do Morumbi fica no Morumbi jura? e não tem metrô até lá. Mas você pode do metrô  pegá-lo até a Estação do Butantã que é a última estação e é a mais próxima. Então não tem erro. De lá, você pode pegar um ônibus urbano direto para o Estádio. Tudo é muito bem sinalizado com placas, desde as estações até a saída do metrô. O ponto de ônibus fica bem na porta da saída. É importante você sempre conferir no Google o nome e anumeração, pode ser que tenha havido alguma alteração.

imagem: pixabay

Normalmente ficam vans não oficiais na porta da estação cobrando um preço bem camarada pra deixar você na porta do estádio (uma passagem de ônibus custa R$3,80 e a van R$5,00). Eu particularmente acho que vale a pena, mas é importante ter algumas ressalvas: prefira aquelas que estão com mais pessoas, faça amizades com os que também estão indo pro show e não se esqueça de saber se também haverá o serviço na volta e onde a van estará. Sempre leve dinheiro trocado, principalmente se for pegar ônibus e metrô, eles não gostam de dar trocos grandes. A van também não aceita cartão, mas é bom ter um pra não ficar andando com grande quantia e você pode usar na volta. A dica é distribuir o dinheiro pelo corpo pra não ficar sem caso haja algum problema.

O Estádio do Morumbi é distante demais, um Uber, Cabify ou 99 até te deixam lá, mas o preço não sai por menos de R$60,00 (se você tiver com mais pessoas, de repente compensa dividir). Nem pense em táxi, eles costumam fazer valor fechado e a corrida não sai por menos de R$100,00. Já que você vai durante o dia, prefira os transportes públicos e deixe pra gastar um pouco mais na hora de voltar.

Chegue cedo, saia com pelo menos 1h de antecedência do horário em que os portões irão abrir. Mesmo que a sua intenção não seja ficar na grade, você pode ter algum imprevisto no caminho e acabar pegando um lugar ruim, já que não há numeração de cadeiras. Assim você tem mais chances de pegar um bom lugar com vista pro palco, se ambienta, verifica onde ficam os banheiros e esquematiza como fará pra ir embora, porque de dia é tudo mais fácil de ver.

O QUE VESTIR?

Isso parece bem óbvio, mas acredite, não pra todo mundo. Lá é um estádio, o que significa que é aberto e está sujeito sofrer alterações de temperatura. Independente se você vai ficar na pista ou na arquibancada, é bom estar preparado para possíveis mudanças climáticas. Minha dica é: um sapato confortável, daqueles que você ficaria bem em pé com ele por horas e que seja resistente no caso de se molhar. Impermeável seria perfeito! Eu fui de Melissa e, apesar de ter ficado o show inteiro com os pés molhados, fiquei bem confortável e não perdi o sapato.

imagem: pixabay

Calça é sempre uma boa opção, porque ao cair da noite, dá aquela esfriada. Mas escolha as com lycra pra você ficar bem à vontade, principalmente se precisar sentar. Se der pra dar aquela dobradinha na barra, melhor ainda. É que o Estádio fica bem cheio de poças, então fica mais confortável pra você se sua calça não tiver encharcada embaixo. Blusas e camisetas de algodão são as melhores porque absorvem bem o suor, controlam um pouco do vento e tem boa troca de umidade com o exterior, então dá pra transpirar sem ficar tão abafado e também secam mais rápido. Mas sempre leve um casaquinho, pense sempre na volta!

Eu fui de jardineira, o que ajuda demais a carregar coisas sem chamar a atenção ou precisar de bolsa, mas não é funcional na hora de ir ao banheiro 😬. Se escolher essa peça, lembre-se da logística nas hora em que precisar tirar. E lembre-se: JAMAIS vá de salto. É lindo, mas é extremamente desconfortável e, caso fique na arquibancada, vai ser bem difícil subir e descer dela, os degraus são muito altos!

O QUE EU POSSO OU NÃO LEVAR?

A primeira dica é: confira o site do Morumbi. Lá tem uma lista com tudo o que pode e o que não pode levar. Basicamente são sempre as mesmas coisas, mas é bom olhar diretamente no site antes de ir porque pode haver alguma alteração ou proibição específica. Lembre-se: são boas horas de espera e de show inclusive, então compensa levar uns biscoitinhos pra dar aquela tapeada na fome. É claro que lá vende comida e bebida, inclusive alcoólica, mas os preços são salgados.

Compre também uma Capa de Chuva com antecedência. Em qualquer Banca de Jornal de São Paulo você encontra numa média de R$5,00 a descartável ~ atende super bem, mas se preferir, compre uma mais resistente em lojas que vendem bolsas e sombrinhas. No dia em que eu fui, choveu pouco, mas o suficiente pro estádio ficar alagado nas arquibancadas e inclusive os bancos. A capa ajuda ainda a poder sentar sem ser na poça e agasalha, porque como lá é aberto, venta bastante.

Como o tempo é imprevisível, leve também um protetor solar, daqueles bem pequenos e com embalagem plástica. O sol fica bem acima e só vai embora bem tarde. Dá uma olhada na lista abaixo que você já se organiza pros suprimentos:

PODE ENTRAR:

  • Frutas (cortadas, em gomos ou pequenas como uvas)
  • Chocolates
  • Água apenas em copo
  • Sucos e achocolatados de caixinha
  • Biscoitos
  • Barras de cereal ou proteína
  • Sanduíches embalados um a um – sem maionese – papel laminado
  • Salgadinhos tipo batata frita ou Doritos lacrados
  • Bolsas – serão revistadas
  • Celulares
  • Mochilas pequenas
  • Máquinas fotográficas amadoras, digitais ou analógicas
  • Binóculos pequenos
  • Casacos
  • Capas plásticas de chuva

NÃO PODE ENTRAR:

  • Frutas inteiras, inclusive maçã
  • Bolos e salgados caseiros como empadão, tortas e etc.
  • Bebidas em lata
  • Cachorro quente
  • Água ou suco em garrafa (squeezes e canecas térmicas)
  • Guarda chuva
  • Máquinas fotográficas e filmadoras profissionais – não pode trocar a lente
  • Pau de selfie
  • Livros
  • Revistas
  • Jornais
  • Cartazes de papel
  • Rolos de papel
  • Bandeiras e faixas
  • Armas de fogo, facas e tesouras
  • Capacetes, correntes, cinturões e pingentes grossos, qualquer acessório que possa causar ferimento.
  • Qualquer objeto de vidro que possa quebrar e ferir terceiros

E PRA VOLTAR?

A volta é mais complicada. É bem policiado o entorno, isso é bem bacana. Mas não tem muitas opções por causa do horário e da localização. O metrô só funciona até 00:10h, então dependendo do horário em que o show acabar, não dá pra repetir o trajeto da ida, só que de forma inversa. Algumas vans fazem o trajeto até o Shopping Morumbi, um lugar mais tranquilo e próximo da “civilização”, onde é mais fácil conseguir um carro de aplicativo ou táxi mais barato, porém elas cobram de R$20,00 até R$50,00 por pessoa ~ sim, infelizmente eles são bem oportunistas. 

imagem: pixabay

Tem táxi pra todo lado, logo que você sai do Estádio, mas trabalham com preço fechado em torno de R$200,00 a R$300,00 a corrida. Sim, é absurdo. Mesmo. Mas todo mundo sai praticamente em bando, subindo em direção à Avenida Morumbi, onde tem mais acesso. Na esquina da Avenida Morumbi com a Padre Lebret tem um carro de polícia que fica orientando o sentido do trânsito. COLE no policial e tente chamar um Uber. Pode ser que demore porque a região é afastada, mas dá. Com esse tipo de aplicativo, é possível ter uma estimativa do valor a ser pago, portanto, prepare o cartão ~ no meu caso, passou R$30,00 do valor estimado, dando quase R$70,00 a corrida, mas melhor do que R$200,00.

Se isso não for viável, se por algum motivo você não conseguir chamar um aplicativo, tente a van até o Shopping Morumbi onde é praticamente certo você chamar um carro. Também há a possibilidade de dividir um táxi se forem muitas pessoas. E por mais que te digam que dá pra ir apé até o shopping, não vá. A Avenida fica cada vez mais deserta ao longo e andar a pé nesse caso é sempre um perigo.

MAIS DICAS PRA QUEM VAI EM UM SHOW NO MORUMBI

  • Sempre que for mexer no celular, faça em locais fechados, de preferência dentro das Estações de Metrô e perto dos seguranças;
  • Divida seu dinheiro em bolsos, doleiras ou onde mais tiver. Deixe uma reserva em uma parte escondida, de difícil acesso, caso você tenha algum imprevisto;
  • Prefira carregar notas de R$10,00 e no máximo R$20,00 para facilitar o troco. Como a maioria das pessoas em São Paulo usam Cartão de Bilhete Único, é comum os cobradores não terem troco para as passagens. Quanto menor a nota que você usar para pagar, maiores as chances dele ter troco pra te dar;
  • Se você for em grupo, ou até mesmo com mais uma pessoa, marque um lugar específico para se encontrarem caso haja algum problema e vocês se separem. Faça também um mapa visual do lugar onde está para que fique mais fácil retornar quando for ao banheiro.
  • Caso fique na arquibancada, não se preocupe, tem pelo menos 3 banheiros por ala. Então, se o primeiro tiver uma fila muito grande, ande mais um pouco e tente os outros dois que geralmente ficam bem mais vazios.

Sobre o Morumbi em si, eu gostei bastante. Embora a arquibancada estivesse alagada e eu tenha ficado com os pés na água por todo o show, achei tudo bem organizado, a qualidade do show é incrível e dá pra ter uma visão muito boa do palco. Anotem essas dicas e aproveitem bastante!

Tags:
01nov/17

Meu corte de cabelo Pixie Cut

Cabelos

Eu já havia falado há um bom tempo sobre o corte de cabelo Pixie Cut aqui no blog e inclusive mencionei minha vontade de fazê-lo em algum momento da vida ~ disse eu entre os 30 e 35. Fui bem profética, não? A verdade é que o corte não teve nada a ver com a idade em si, mas talvez o momento. Eu já queria e de repente resolvi fazer. Pronto, aqui estou eu de Pixie Cut! E é tão engraçado estar de fato, porque por muitos anos eu sonhei, mas agora é real.

Tudo foi feito da noite pro dia – decisão, corte, descoloração, felicidade. Confiei na minha amiga Janaína que me deu o maior apoio e realizou todo o trabalho. Fiquei imensamente feliz e satisfeita, já fazia um bom tempo que eu vinha ensaiando esse tipo de corte. O meu cabelo cortado e vou doar pra uma instituição aqui da Juiz de Fora que ajuda crianças e adolescentes com câncer, a Fundação Ricardo Moysés Jr.

AGORA DÁ SÓ UMA OLHADA NO VÍDEO PRA VOCÊ VER TODO O PROCESSO DO MEU PIXIE CUT!

Em breve vocês ainda verão muitas fotos e looks com o meu Pixie Cut! Eu amei real e estou aproveitando o máximo dessa nova fase. Ainda estou no processo de testar arrumações e estilos diferentes e isso é muito legal. Muita gente pensa que um cabelo curto tem pouca variação, mas estou aqui pra afirmar o contrário. É bem versátil e prático também.

Pra quem quiser conhecer mais sobre o trabalho da Jana, que além de minha amiga é uma cabeleireira incrível, aqui tem o Face do salão Paar e aqui o Insta!

Tags:
10out/17

Meu cabelo blorange / millennial pink

Cabelos

Eu vivo mudando meu cabelo, vocês já sabem disso, né? A mudança da vez foi repentina, mas eu estava de olho desde que falei sobre Cabelo Blorange. Como eu não encontrava tinta nessa cor, resolvi fazer uma mistura com dois tons que eu tinha aqui em casa e o resultado foi um cabelo blorange / millenial pink que eu amei demais!

Esse é um tom bem difícil de chegar porque ele tem uma porção rosa e outra laranja, mas a quantidade de cada é que vai determinar a cor ~ pra não puxar nem só pra um ou só pra outro. Como meu cabelo é bem descolorido, fica mais fácil chegar no tom, mas onde estava um pouco menos platinado, puxou um pouco mais pro laranja. Eu gostei muito, ficou bem próximo do que eu imaginava, mas a cor em si dura muito pouco. Em três lavagens eu já tinha voltado pra cor original do meu cabelo 🙁

Tintas que eu usei pra chegar no tom

Pra chegar nesse tom, usei duas tintas que havia recebido da marca com um pouquinho de creme branco: a Chrome Orange e a Sky pink, ambas da Candy Color. Elas são uma coloração semi permanente sem amônia, já havia usado anteriormente, mas dessa vez acho que houve alguma reformulação e ela está bem mais rala e menos pigmentada, talvez por isso tenha durado tão pouco tempo. Cheguei até a mandar um e-mail pra marca pra saber se houve alguma alteração, mas eles não me responderam. A mistura ficou bem homogênea e foi tranquilo de passar.

cores isoladas das tinturas

Dá pra ver que as duas tem um fundo mais quente, por isso misturou tão bem e chegou numa coloração sem muita diferença. Como rosa e tons quentes são mais difíceis de serem capturados na câmera, não consigo definir a cor que ficou entre um blorange e um millennial pink que eu já tinha mostrado pra vocês. Gravei um vídeo mostrando o processo e como foi pra chegar no tom, dá só uma olhada!

Pena que durou tão pouco… mas já estou inspirada pra fazer uma nova mudança em breve!

09out/17

Máscara Super Lashes Vult

BeautyResenhas

Há um tempo eu venho falando dessa Máscara Super Lashes Vult em meus vídeos, mas nunca de fato tinha feito uma resenha por aqui. Desde que ganhei e usei pela primeira vez, fiquei apaixonada pelo resultado e conforme fui usando eu fui percebendo alguns detalhes que quero dividir com vocês. A Vult lançou duas máscaras na mesma época, a Super Lashes que é essa da embalagem azul e uma rosinha, a Bombastic Volume.

De acordo com a marca:

A sin­er­gia per­feita que pro­move instan­ta­nea­mente alonga­mento, vol­ume e definição aos cílios. Ali­ado à sua potente for­mu­lação, o apli­cador anatômico pos­sui cer­das de alcance pre­ciso que envolve desde os fios menores até os maiores, pro­movendo acaba­mento inigualável.

COMO É A MÁSCARA  SUPER LASHES VULT

Ela tem um aplicador denso, porém com cerdas diferenciadas. Ele é bem retinho, com formato retangular, sem ser arredondado como os demais. Apesar disso, é ótimo pra passar e não embola o produto na raiz. Na verdade, eu achei que ele ajuda bastante no efeito da máscara. Algumas cerdas são menores do que as outras, o que facilita alcançar todos os tamanhos de cílios.

A textura é ideal, nem muito pastosa e nem muito líquida, o que já dá efeito logo na primeira passada. No entanto, a marca promete cílios definidos, mas na base, senti uma leve emplastada. Na verdade isso não me incomodou, porque achei que no todo, os cílios ficaram volumosos e maiores. Se você não gosta de grumos, pode ser que se incomode com isso, principalmente se você gosta de construir camadas: quanto mais passadas, mais grudados eles ficam.

Ela não borra e não esfarela, o que é muito bom. E apesar de ela não ser à prova d’água, acho que ela resiste um pouco pra sair, não é daquelas fáceis como a Colossal, mas não deixa de manchar caso você lacrimeje. A curvatura dos cílios é bem bacana e o alongamento é perceptível. Também achei ela bem pigmentada, bem pretinha mesmo, do jeito que a gente gosta.

A melhor parte dela é que, mesmo aberta há um bom tempo, ela se mantém com a mesma textura. Não achei que ela endureceu, ressecou ou perdeu o efeito. Pra mim tem sido a melhor máscara que eu tenho usado. Seja pro dia a dia ou pra maquiagens mais elaboradas, ela tem um efeito incrível. O preço dela varia entre R$30,00 e R$40,00 e você encontra em farmácias e perfumarias. No site da Vult tem mais informações sobre ela também!

Tags:
18set/17

Aquela conversinha necessária

Good VibesVídeos

Há um tempo eu venho querendo falar com vocês sobre várias coisas. Muitas vezes eu acabo desistindo, deixando pra depois e com isso nunca acontece, mas dessa vez eu resolvi que seria diferente. Eu sinto que a gente está sempre nos frustrando com a vida porque criamos expectativas demais acerca do que está ao nosso redor e, quase invariavelmente, elas não correspondem ao que esperávamos. Não porque o  mundo é ruim conosco, mas porque estamos sempre esperando mais e mais dele.

E isso também vale pra gente, de nós com nós mesmos. Estamos sempre colocando cobranças e mais cobranças em cima da gente, tentando sempre alcançar coisas que nem sabemos mais se faz tanto sentido quanto quando criamos aquilo e acabamos por nos sentir inferiores quando não chegamos lá. E quando isso envolve processo criativo, o que acontece é justamente o contrário do que esperávamos: dá um branco, a criatividade some, não conseguimos produzir nada porque estamos travados perseguindo um ideal irreal.

 Ao mesmo tempo, o mundo ao redor parece fluir em perfeita harmonia. Nas redes sociais a gente vê viagens incríveis, restaurantes com pratos que mais parecem uma pintura, casos de pessoas cada vez mais bem sucedidas em suas escolhas e uma felicidade sem fim. Não é que tudo seja uma farsa, mas também não é que a nossa vida é um lixo porque não estamos naquele patamar. E é sobre isso tudo que eu queria conversar com vocês. Quando eu gravei esse vídeo, abri meu coração, falei de amiga pra amiga. Acredito que depois dele vocês vão pensar de outra forma sobre cobranças e expectativas. Vem conversar comigo!

Bem, era isso que eu queria conversar. Acho que dá pra gente visualizar melhor as coisas se levarmos em consideração que todo mundo mostra apenas um recorte da vida e que geralmente é o mais bonito. E tá tudo bem com isso, mas precisamos entender que cada um tem seu tempo e seus momentos ruins. E segue o baile, cada um dançando da sua maneira. Obrigada por compreenderem.

1 2 3 4 5 337